Portal Paraíba


paraibalado

 


 paraiba

Capítulo V

Sumário: Capítulo I - Capítulo II - Capítulo III - Capítulo IV - Capítulo V

5.1 Divisão Geopolítica da PB

5.1.1 Localização

A Paraíba se encontra localizada no leste da região Nordeste. Com uma área de 56.584,6 Km², o Estado se caracteriza como um dos menores do país.
Por ser cortado pelo Planalto da Borborema, a região sertaneja do Estado possui um clima extremamente seco, característico do sertão nordestino. Isso ocorre porque o Planalto da Borborema impede a passagem de massas de ar que iriam provocar chuvas no interior.

5.1.2 Limites

A Paraíba possui, entre seus extremos, a Ponta do Seixas, importante ponto turístico da capital do Estado. Localizada na praia do Cabo Branco, a Ponta do Seixas é o local que marca o ponto mais oriental das Américas. Este local marca o limite do Estado para o leste, onde o mesmo se encontra com o Oceano Atlântico.

Já à oeste, a Paraíba se limita com o Estado do Ceará, cuja capital é Fortaleza. Ao norte, o Estado se limita com o Rio Grande do Norte, que tem Natal como capital.

Finalmente, ao sul, a Paraíba se limita com o Estado de Pernambuco, cuja capital é Recife.

5.1.3 Microregiões


Microregiões Homogêneas
Catolé do Rocha 2.952 Km²
Seridó Paraibano 2.669 Km²
Curimataú 2.755 Km²
Piemente da Borborema 2.345 Km²
Litoral da Borborema 2.345 Km²
Sertão de Cajazeiras 5.567 Km²
Depressão do Alto Piranhas 12.409 Km²
Brejo Paraibano 1.105 Km²
Agro Pastoral do Alto Paraíba 1.698 Km²
Serra do Teixeira 3.043 Km²

5.1.4 Relevo>As terras que formam a Paraíba não apresentam a mesma forma em todo o Estado. A baixada litorânea possui altitudes que variam entre 0 e 10 metros e tem as seguintes formas de relevo:


I - As praias> Depósitos arenosos ou terras de várzeas, que ficam junto às embocaduras dos rios que lançam suas águas no Oceano Atlântico.

II - Restingas> Depósitos arenosos em forma de língua ou flecha.

III - Dunas> São montes de areia formados pela ação dos ventos.

IV- Mangues> São planícies de marés com vegetação formada por árvores e arbustos.

Os tabuleiros variam de altitude de 20 a 30 metros, havendo alguns com até 200 m. São formados pelo acumulo de terras provenientes de lugares mais altos. São terras altamente férteis e próprias para o cultivo da cana-de-açúcar.
As planícies aluviais correspondem aos grandes vales formados pelos rios Paraíba e Mamanguape, que cortam os tabuleiros.

O Planalto da Borborema constitui a parte mais elevado do relevo paraibano, cruza a Paraíba de Nordeste a Sudeste, com presença de várias serras, com altitude variando entre 500 e 650 metros. Entre as principais serras, podemos destacar a da Araruna, Viração, Caturité, Teixeira, Comissária e outras.

Na Serra de Teixeira fica o Pico do Jabre, o ponto mais elevado da Paraíba, com mais de 1.000 metros de altitude.

A depressão sertaneja se inicia em Patos, após a serra da viração. Constituem um conjunto de terras baixas, ocupando uma área extensa entre a Borborema e as terras situadas nos estados vizinhos.

5.1.5 Clima>A Paraíba situa-se à faixa tropical do hemisfério sul, pois está a uma latitude de 7° próximo ao Equador, porém existem desvios significativos no sentido leste-oeste dos ventos, provocados pelas regiões planálticas.

A região situada próximo ao Equador recebe uma alta radiação energética, que corresponde a 3.000 horas de insolação anual, determinando um clima quente e úmido, com temperatura média anual de 26°C. Percebe-se também pequenas diferenças térmicas influenciadas pelo relevo.

A Paraíba situa-se dentro das faixas dos ventos do Sudeste (alísios), porém estes ventos sofrem desvios relevantes devido à presença de áreas serranas, mais ou menos transversais à direção destes ventos, o que evidenciam sobre a força e a continuidade da massa de ar. Este fato determina uma zona de chuvas abundantes na parte oriental, no inverno; uma zona de chuvas escassas na parte central, no verão e uma zona de chuvas menos escassas na parte ocidental no verão e outono.

O total pluviométrico de 400 a 1.000 mm, juntamente com o período de seca, possuem grande influência na atividade agropecuária da Paraíba.

Podemos concluir que as regiões mais próximas do mar estão sob o domínio do clima quente e úmido. A partir que distanciam-se do litoral as regiões passam a ter o predomínio de climas quentes e secos.

5.1.6 Hidrografia> A mais forte característica dos rios paraibanos é o fato de a maioria serem temporários, ou seja, diminuem bastante de volume ou mesmo secam nos períodos de saca, principalmente no sertão, o que complica a agricultura na região.

As principais bacias hidrográficas da Paraíba são a do rio Piranhas, a do Paraíba, a do Curimataú, a do Camaratuba, a do Mamanguape, a do Miriri, a do Gramame e a do Abiaí.

A principal bacia de todas é a do rio Piranhas, que nasce na serra do Bongá, na fronteira com o Estado do Ceará. Ele tem uma relevante importância para o Estado, uma vez que através da barragem de Mãe D'Água, em Coremas, viabiliza a irrigação de muitas terras.

O Rio Paraíba, o mais famoso do Estado, nasce na serra de Jabitacá, em Monteiro, no Planalto da Borborema.

5.1.7 População>No final da década de 70 e início de 80, a Paraíba possuía uma população de 2.770.176 habitantes. Um novo recenseamento, realizado em 1996, revelou uma população total de 3.305.562 habitantes, sendo 1.598.372 homens e 1.707.190 mulheres.

A população descendo do elemento branco, que era o português colonizador, do negro, procedente da África como escravo para trabalhar na agricultura, e o índio, de origem local.

A população é essencialmente mestiça, resultante da miscigenação dos três grupos étnicos:


Mulato>: Mistura do branco com o negro. Predominante no litoral do Estado.
Caboclo>: Mistura do branco com o índio, predominante no interior do Estado.
O cafuzo>: Mistura do negro com o índio. Este é mais raro.

A Paraíba ocupa o 4° lugar no Nordeste em população absoluta, com uma densidade demográfica de 58,63 hab/Km².

O litoral tem as maiores densidades do Estado, com 300 hab/Km², observados na grande João Pessoa, por ser uma área mais urbanizada e polarizadora. O Agreste e o Brejo vêm depois com densidades entre100 e 300 hab/Km², seguido do Sertão, com densidades entre 10 e 25 hab/Km², elevando-se para 50 hab/Km² em algumas regiões urbanas.

Em 1970, a população paraibana se encontrava, na sua maioria, no campo. Havia 58% de habitantes no campo, contra 42% nas cidades. Em 1980, o quadro já havia se invertido (42% rural e 58% urbana). Essa mudança, que ocorreu em todo o país nesse período e que tende a evoluir, é proveniente do êxodo rural, onde famílias inteiras saem do campo e vão para as cidades a procura de melhores condições de vida.

Entre os anos de 70 e 80, houve redução de pessoas no setor primário, de 64,83% para 49,99%, o que só veio a confirmar a transferência da população do campo para as cidades. Durante este período, verificou-se um crescimento do setor terciário, de 26,44% para 36,96%. Isto se justifica pelo fato de as pessoas provenientes do campo trabalharem nas cidades justamente neste setor.

De acordo com o censo de 1980, 54,5% da população possuía entre 0 e 19 anos, 37,8% entre 20 e 59 anos e 7,7% com 60 anos ou mais.

Já o censo de 1989 mostrou um declínio da população jovem para 48,4%, o aumento da população adulta para 42,2% e dos idosos para 9,4%.


5.2 Paraíba Atual

5.2.1 Aspectos Políticos

Por toda parte, dentro da Paraíba, existem análogos problemas de seca, condições sociais e similares. As razões de existência dos "chefes políticos" não diferem muito entre si, pelo menos quando se toma a situação como um todo. Os fenômenos de independência constatados na Paraíba correspondem à existência de aglomerações relativamente pequenas.

O problema das cidades ganha relevo na análise política. A síntese dos diferentes elementos, que são as cidades e campo, os "chefes políticos" e os eleitores, afasta-se ainda mais do esquema traçado para a Paraíba. Neste Estado, os partidos políticos são conseqüência de uma certa situação de fato, histórica e contingente.

Os partidos políticos paraibanos são os seguintes:


PCB >Partido Comunista Brasileiro
PSB>Partido Socialista Brasileiro
PSD> Partido Social Democrático
UDN>União Democrática Nacional
PTB - >Partido Trabalhista Brasileiro
PSP - >Partido Social Progressista
PL>Partido Liberal
PTN>Partido Trabalhista Nacional
PRN>Partido da Reconstrução Nacional
PDS>Partido Democrático Social
PDT>Partido Democrático Trabalhista
PFL>Partido da Frente Liberal
PSC>Partido Social Comunista
PMN>Partido da Movimentação Nacional
PMDB>Partido do Movimento Democrático Brasileiro
PT>Partido dos Trabalhadores
PC do B>Partido Comunista do Brasil
PSDB>Partido Socialista Democrático Brasileiro
PST>Partido Social Trabalhista
PDC>Partido Democrático Cristão
Os principais órgãos públicos que auxiliam o governo são:
Telpa>Telecomunicações da Paraíba, responsável pelos serviços telefônicos;
Paraiban>Banco do Estado da Paraíba S/A. Foi fechado pelo Banco central e reaberto no governo de Ronaldo Cunha Lima;
Cagepa>Companhia de Água e Esgoto da Paraíba;
Ceasa>Centrais de Abastecimento Sociedade Anônima, responsável pelo abastecimento agrícola;
Saelpa>Sociedade Anônima de Eletrificação da Paraíba, responsável pelo abastecimento de energia elétrica no Estado, com exceção de Campina Grande, onde o serviço é prestado pela Celb;
Ipep>Instituto de Previdência do Estado da Paraíba, responsável pela assistência médica, benefícios e aposentadorias dos trabalhadores estaduais;
Cehap>Companhia Estadual de Habilitação Popular, responsável pela habilitação das pessoas mais pobres;
Pbtran>Batalhão da Polícia de Trânsito;
ECT>Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.
Para coordenar as atividades comerciais, agrícolas, sociais e políticas, a fim de melhorar as condições de vida da população, o poder é dividido em três:
Poder Legislativo>Exercido pelos deputados estaduais, eleitos pelo povo como seus representantes, durante um período de 4 anos.
Poder Judiciário>Exercido pelo Tribunal de Justiça, por meio dos desembargadores e juizes.

Poder Executivo> Exercido pelo governador do Estado, que atua por 4 anos.

5.2.2 Aspectos Econômicos

Sob o ponto de vista econômico, considerando a P.E.A. (população economicamente ativa) correspondente aos setores econômicos, percebe-se que está ocorrendo uma redução no número de pessoas ocupando o setor primário paraibano, o que confirma a saída da população do campo. Enquanto isso, nas cidades, o setor terciário está sofrendo aumento gradativo, ao receber a população proveniente do setor primário.

A debilidade da indústria no Estado mostrou uma redução nos percentuais da população pertencente ao setor secundário entre as décadas de 70 e 80. A indústria, em 1995, teve uma crescimento de 7,7% e sua produção de 2,6%, que por pouco não se nivelou ao crescimento líquido demográfico.

Apesar da população paraibana continuar participando cada vez menos do setor primário, este ainda representa a base da economia do Estado. Os principais produtos agrícolas paraibanos são:

Abacaxi>Sobre o qual a Paraíba se destaca como o maior produtor, tendo grande importância para a exportação. O abacaxi é cultivado em Sapé, Mari e Mamanguape.
Sisal Nos anos 50 e 60 foi o principal produto agrícola paraibano. Hoje ocupa o terceiro lugar na exportação estadual.
Cana-de-açúcar>Possui grande importância econômica, pois dela se fabrica o álcool usado como combustível. As principais áreas de cultivo são os vales, os tabuleiros e o litoral.
Algodão> Na região sertaneja, ocupa lugar de destaque. Essa cultura já representou o principal produto agrícola paraibano.
Mandioca, milho e feijão>São culturas de subsistência.

Na produção animal, destacamos os rebanhos:

Bovino>Sua produção se destina basicamente a alimentação local. Localiza-se mais intensamente no Agreste e no Sertão.
Suíno>Com a melhoria das técnicas de criação, o rebanho vem apresentando um crescimento. Localiza-se no Cariri e no Sertão.
Caprinos e Ovinos>Fornece carne e leite. Localiza-se nos Cariris e no Sertão.
Eqüinos, Asininos e Muares> Destinados ao transporte.

Percebe-se que a pecuária é praticada de forma extensiva na Paraíba.


5.2.3 Aspectos Sociais

Nosso povo surgiu na mistura das raças branca, negra e índia. Esta última já habitava a região.

A população da Paraíba é essencialmente mestiça, o que resulta da união de três etnias: a mulata, a cabocla e a cafuza.

A Paraíba é o Estado mais pobre do Brasil, mas atualmente o governo do estadual está com a iniciativa de gerar empregos, trazendo indústrias do sul do país como, por exemplo, podemos citar a Embratex (indústria têxtil implantada em Campina Grande há pouco tempo).

5.2.4 Aspectos Religiosos>Na Paraíba existem várias religiões, porém o Catolicismo é a predominante. O protestantismo vem crescendo muito nos últimos tempos e cada vez mais atrai adeptos da Igreja Católica. Par evitar isso, os carismáticos vêm se esforçando para buscar jovens, a fim de mostrar-lhes um catolicismo mais atrativo e que possa chamar-lhes a atenção.

Existem Igrejas Protestantes, como por exemplo a Universal do Reino de Deus, que podem ser consideradas como "comerciantes", pelo fato de exigirem dinheiro de seus fiéis. Este tipo de Igreja tem obtido um sucesso e uma divulgação impressionantes, já que são bastante difundidas pelos meios de comunicação.

Além da Igreja Universal do Reino de Deus, há outras Igrejas protestantes, também bastante difundidas, como a Igreja Presbiteriana e a Assembléia de Deus.

Além dessas Igrejas citadas existem outras com um número menor de adeptos, e outras que são consideradas seitas, tais como Umbanda, Igreja Messiânica e Borboleta Azul. Estão presentes também a doutrina espírita, a Gnose (controle da mente), Igreja dos Mormos, bem como Escolas Iniciáticas, como a Ordem Rosa Cruz e a Ordem Maçônica, além de uma série de outras instituições menos significativas.

5.2.5 Aspectos Culturais


Folclore
As manifestações folclóricas e populares existem em grande quantidade na Paraíba. Tais manifestações fazem parte da cultura do Estado paraibano.
Dentre estes acontecimentos, podemos citar:festas de padroeiro, festas natalinas, festas juninas, casamentos, batizados, noivados, festas de ano novo, festas de caráter religioso, vaquejadas, exposições agropecuárias, festas do calendário cívico, entre outras.


Artesanato
Literatura transmitida de pessoa a pessoa, que se conserva na memória do povo. Fazem parte desta literatura: as anedotas, a cantoria de viola, a glosa, a parlenda, o folheto de cordel, o provérbio, advinha, etc.
Anedota>Tipo de estória curta, que tem por finalidade provocar risos em alguém.
Cantoria>Atividade própria do poeta-cantador. A cantoria sofreu codificações desde o seu surgimento até hoje, e atrai muitas pessoa para vê-la.
Parlenda>Poema feito em versos curtos, geralmente utilizados para distrais crianças.
Provérbio>Sentença breve, criada pelo povo. Tem por finalidade mostrar a experiência humana.
Advinha>Tipo de passatempo divertido.
Festas Populares
Na Paraíba, as festas cívicas e populares são comemoradas pela população com grande entusiasmo.

Os paraibanos aprenderam a festejar acontecimentos religiosos com os portugueses, tendo influência também dos indígenas.

Os festejos populares realizados em homenagem aos padroeiros servem para reencontrar pessoas que não se vinham a muito tempo, especialmente familiares que vêm de outras localidades para fazer uma visita à sua terra natal. Esses festejos também servem para o divertimento da população.

As principais festas populares são:

Festa de Nossa Senhora das Neves e Festa de Nossa Senhora da Penha, ambas comemoradas em João Pessoa;
São João e Micarande, festas populares comemoradas em Campina Grande, que atraem turistas de todo o país;
Festa da Luz, em Guarabira;
Festa da Guia, em Patos;
Festa do Rosário, que ocorre em Pombal e Santa Luzia.


Sumário: Capítulo I - Capítulo II - Capítulo III - Capítulo IV - Capítulo V




Envolve Web - Criação de Sites